Minha Wishlist Literária #2: Clássicos

Olá leitores! Há um tempo eu fiz uma WISHLIST literária aqui no blog (confira aqui) e gostei bastante da experiência, pois ajudou a me organizar. Por isso resolvi torná-la uma coluna que irá ao ar a cada dois meses aqui no blog, e a partir de agora elas serão temáticas!

Ultimamente tenho tido muita vontade de ler mais clássicos, especialmente após ter lido Orgulho e preconceito. Então a WISHLIST deste mês será voltada para os clássicos.

Ah! Toda vez que uma nova wishlist for postada, aproveito e atualizo vocês sobre a anterior. Então, vamos conferir?




Referente a última wishlist:
*Se o livro tiver sido resenhado aqui no blog,
ao clicar no título você será direcionado à resenha.

Adquiridos:
- Eleanor & Park

Retirados: 
- Onde deixarei meu coração

Continuam na wishlist:
- Quero ser Beth Levitt
- A Lista de Brett

Wishlist Literária
Tema: Clássicos

5- Grandes Esperanças (Charles Dickens)


Sempre quis ler algo do Charles Dickens e quando vi essa edição incrível da Landmark não resisti. Precisei adicionar à listinha!

Charles Dickens é um dos mais célebres romancistas ingleses. É também o mais típico da Inglaterra vitoriana. Criou uma prosa original, rica de símbolos, e viu-se cercado da fama de reformador por ter narrado os horrores dos asilos, escolas e prisões da época. Sua obra, impregnada de mistérios, tem afinidades com o romance gótico e constitui um vasto painel melodramático da Londres industrial de 1830-1850. A postura essencialmente sentimental de Dickens expressou-se com muita nitidez em seus contos de Natal, publicados e lidos no mundo inteiro. Em 1861 Dickens publicou o mais equilibrado de seus romances: "Grandes Esperanças". A obra foi inspirada em sua experiência amorosa com a atriz Ellen Ternan, com a qual rapidamente se decepcionou. Grandes Esperanças é uma de suas obras-primas. Dickens acreditava, como todo inglês médio da época, na imutabilidade da hierarquia social e condensou no destino de Pip - principal personagem da obra - sua própria experiência: os perigos de uma ascensão social demasiado rápida.


4- Os Miseráveis (Victor Hugo)


Este é provavelmente o livro que mais demorarei para comprar, porque ele é caríssimo e enorme (sem exagero, são 1511 páginas). Mas é um livro que eu sou louca para ler.


Os Miseráveis - Esta obra é uma poderosa denúncia a todos os tipos de injustiça humana. Narra a emocionante história de Jean Valjean — o homem que, por ter roubado um pão, é condenado a dezenove anos de prisão. Os miseráveis é um livro inquietantemente religioso e político.













3- Jane Eyre (Charlotte Brontë)


Eu não tive uma experiência muito boa com O Morro dos Ventos Uivantes, mas não resolvi desanimar das irmãs Brontë; desta vez vou dar a vez para Charlotte e seu livro “Jane Eyre”, acredito que eu irei gostar bastante.


Jane Eyre, órfã de pai e mãe, vive com parentes que a desprezam até ser enviada para a instituição de caridade Lowood. Apesar das inúmeras privações que enfrenta na escola, a menina leva uma vida quase feliz e se torna forte e independente. Aos 18 anos, decide partir para Thornfield e trabalhar como preceptora de Adèle, pupila do irônico e arrogante Edward Rochester. Jane Eyre narra, além de uma comovente história de amor, a saga de uma jovem em busca de uma vida mais rica do que a sociedade inglesa do século XIX tradicionalmente permitia às mulheres. Publicado originalmente em 1847, o primeiro romance de Charlotte Brontë inspirou adaptações para o cinema e a televisão.




2- Emma (Jane Austen)


Eu realmente necessito ler outros livros da Jane Austen, por isso eu poderia colocar todos aqui, mas coloquei apenas o Emma para representar essa autora.


Emma é órfã de mãe e vive sozinha com o pai. Tornou-se dona absoluta da casa depois do casamento de sua irmã e da saída da governanta. Em seu pequeno mundo, reina com boa vontade, mas não sem uma certa presunção. Quando a jovem Harriet vem morar com ela, logo Emma se empenha em casá-la com Elton, um jovem pastor do lugar que, por sua simplicidade, entende que a proposta se referia à própria Emma. Por outro lado, Emma se apaixona por Frank, o enteado de sua governanta. A partir daí a trama segue por uma sucessão de mal-entendidos, situações de suspense e falsas suposições, até chegar a seu desenlace.





1- O Pequeno Príncipe (Antoine de Saint- Exupéry)


Sim, eu ainda não li o Pequeno príncipe. Necessito para ontem!



Um piloto cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil. Ela diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida. Com essa história mágica, sensível, comovente, às vezes triste, e só aparentemente infantil, o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry criou há 70 anos um dos maiores clássicos da literatura universal. Não há adulto que não se comova ao se lembrar de quando o leu quando criança. Trata-se da maior obra existencialista do século XX, segundo Martin Heidegger.





Espero que vocês tenham gostado! Deixem nos comentários se vocês querem ver essa coluna bimestralmente aqui no blog, e sintam-se à vontade para sugerir os próximos temas. Me contem também se já leram alguns desses livros!


0 comentários:

Postar um comentário